• Crítica | Hereditário

    Terror estrelado por Toni Collette é um dos melhores do ano.  Alguns dos melhores filmes de terror já feitos misturaram o horror com outro gênero que lhe parece oposto: o drama. Essa mistura possibilita que se mergulhe profundamente na vida…

  • Crítica | Selfie para o Inferno

    Curta viral de terror se perde na sua transposição para longa-metragem  Com a evolução da tecnologia e o barateamento dos custos para a realização, a produção de curtas-metragens de terror se proliferou nos últimos anos. Uma busca rápida na internet…

  • Crítica | Vingança

    Thriller francês subverte a expectativa do público e revitaliza o gênero.  Existe um subgênero do terror conhecido como “rape and revenge”, que faz justamente o que a sua alcunha sugere: mostra cenas de estupro seguidas por uma sanguinolenta vingança. Voltado…

  • Crítica | Um Crime Americano

    Documentário reconta um dos casos de racismo mais conhecido nos EUA.  Já tendo assistido ao excepcional documentário O.J.: Made In America, vencedor do Oscar do ano passado, eu pensava que já conhecia toda a história envolvendo Rodney King. Afinal, aquele…

  • Crítica | Verdade ou Desafio

    Terror manipula nossas expectativas, mas não sai do lugar-comum.  Alguns filmes de terror servem apenas para fortalecer estereótipos e temáticas moralistas presentes no gênero desde a sua origem – como é o caso de O Chamado 3. Já outros, seguem…

  • Crítica | Vingadores: Guerra Infinita

    Filme acerta o tom no humor e ação, mas a seriedade intencionada fica comprometida. Embora os primeiros filmes do universo cinematográfico da Marvel funcionassem muito bem como obras individuais, com começo, meio e fim – como é o caso de…

  • Crítica | Um Lugar Silencioso

    Terror dirigido por John Krasinski é eficaz no uso do som para criar tensão.  Com exceção dos primórdios do cinema, quando O Fantasma da Ópera e Nosferatu vagavam pelos corredores silenciosos dos seus castelos, desde que foi inserido, o som representa…

  • Crítica | Jogador Nº 1

    Steven Spielberg faz uma sci-fi que prioriza a nostalgia.  Embora não seja uma regra, muitas das melhores ficções científicas enxergam no futuro uma forma de poder falar de problemas contemporâneos à época da sua produção. Basta pensar em como Planeta…