The Head Hunter

10 filmes de terror medieval

Qual é a primeira coisa que vem à sua cabeça quando você pensa em filmes de terror medieval? Castelos? Batalhas? Peste negra? De fato, estes são alguns dos temas mais comuns dentre essas obras.

Mas mesmo diante da repetição de temáticas existe uma variedade de abordagens. Seja pela nacionalidade ou época da sua produção, diferentes filmes falam sobre os mesmos temas de maneiras distintas.

E foi pensando nisso que preparei um episódio do Podcast 7 Marte sobre filmes de terror medieval.

Para isso, eu contei com a participação do Thiago Natário (do podcast República do Medo). Além de crítico de cinema e podcaster, o Thiago também é professor de História e mestre em História Medieval. Ou seja, é um especialista no assunto.

Ao longo deste episódio, nós indicamos dez filmes de terror que se passam no período medieval. Ou quase. É preciso confessar que nós trapaceamos um pouco, indicando filmes que se passam também em períodos posteriores.

Mas, conforme é explicado no episódio (que também serve como aula de história), essa demarcação do período medieval é arbitrária e geográfica. Foi por causa disso que nós nos sentimos no direito de apresentar filmes que fugiam um pouquinho dessa denominação.

E se você ficou curioso para escutar a nossa conversa (o que eu aconselho, porque ficou muito boa), é só clicar no player abaixo.

Escute o nosso podcast sobre filmes de terror medieval:

Podcast 7 Marte também está disponível nas plataformas SpotifyDeezerBreakerGoogle PodcastsRadioPublicPocket CastsOvercastApple PodcastPlayer FMStitcher e Orelo.

Confira também as outras edições do podcast clicando aqui.

Agora, se você quer saber mais sobre os filmes que nós indicamos ao longo do episódio, segue abaixo a nossa lista com 10 filmes de terror medieval, começando por:

O Sétimo Selo (Det sjunde inseglet, 1957)

O Sétimo Selo, exemplo de filmes de terror medieval

Escrito e dirigido por Ingmar Bergman, O Sétimo Selo acompanha um guerreiro (interpretado por Max von Sydow) que está voltando das cruzadas. No caminho, ele se envolve em uma partida de xadrez com a própria morte.

A imagem icônica do homem jogando xadrez com a morte já foi bastante explorada ao longo da história do cinema, Mas o filme não se limita a isso. Bergman usa desse artifício para expor seus próprios questionamentos a respeito da vida, da morte e da existência de Deus.

E é isso que faz de O Sétimo Selo um dos grandes clássicos da história do cinema. Além disso, o filme também é uma boa porta de entrada para o cinema de Bergman. E, caso você tenha gostado do filme, também assista ao ótimo A Fonte da Donzela (cuja crítica pode ser lida aqui). As duas obras dialogam bem;

Assista ao trailer de O Sétimo Selo:

O Chicote e o Corpo (La frusta e il corpo, 1963)

O Chicote e o Corpo, exemplo de filmes de terror medieval

O Chicote e o Corpo se passa em um castelo (cenário comum em histórias medievais), embora sua trama aconteça depois do final do chamada Idade Média. Ainda assim, muitas das estruturas sociais daquela época se mantém presentes nessa obra.

O filme mostra um nobre sádico (interpretado por Christopher Lee) que retorna para o castelo da sua família. Em pouco tempo, ele é morto e seu fantasma passa a assombrar a jovem Nevenka (Daliah Lavi), trazendo à tona desejos e medos escondidos.

Co-produção italiana e francesa, O Chicote e o Corpo tem direção de Mario Bava (sob o pseudônimo de John N. Old). Trata-se de uma obra que aborda temas polêmicos, explorando a ambiguidade da situação sem oferecer respostas fáceis.

Assista ao trailer de O Chicote e o Corpo:

O Poço e o Pêndulo (The Pit and the Pendulum, 1961)

O Poço e o Pêndulo

Baseado no conto clássico de Edgar Allan Poe, O Poço e o Pêndulo se passa no século XVI e acompanha um homem que viaja à Espanha para esclarecer as estranhas circunstâncias da morte de sua irmã, depois que ela se casou com o filho de um cruel inquisidor espanhol.

Esta adaptação, escrita por Richard Matheson e dirigida por Roger Corman, expande e se afasta do material que lhe deu origem, apresentando-nos uma história sobre dor e perda, com alguns elementos sobrenaturais.

Apesar das diferenças em relação ao conto (o poço e o pêndulo só aparecem no final do filme), a obra se sustenta principalmente na atuação certeira de Vincent Price, que vive aqui um homem atormentado pela perda e traumatizado pelo seu legado.

Assista ao trailer de O Poço e o Pêndulo:

A Maldição da Bruxa (Hagazussa, 2017)

A Maldição da Bruxa, exemplo de filmes de terror medieval

Produção austríaca e alemã, A Maldição da Bruxa é um filme que tenta ressignificar a representação da bruxa no cinema. A trama se passa no século XV, na Europa, e acompanha uma mulher (desde a sua infância até a vida adulta) acusada de ser uma bruxa.

A bruxa aqui é vista como uma pessoa mais próxima da natureza. Tal relação de proximidade é explorada de maneiras metafóricas ao longo do filme.

O diretor Lukas Feigelfeld aposta em um desenvolvimento lento, mostrando uma situação que vai se agravando aos poucos até entrar em ebulição. E isso aumenta ainda mas o impacto das imagens aqui apresentadas.

Assista ao trailer de A Maldição da Bruxa:

A Orgia da Morte (The Masque of the Red Death, 1964)

A Orgia da Morte

Outra adaptação livre de um conto de Edgar Allan Poe dirigida por Roger Corman e estrelada por Vincent Price, A Orgia da Morte conta a história do tirano Próspero, um príncipe medieval dedicado à busca do mal e ao culto ao diabo.

Achando que a sua crença macabra é suficiente para protegê-lo de qualquer aflição terrena, Próspero resolve fazer um grande baile no seu castelo para celebrar a sua boa fortuna e seu objeto de adoração. Mas a Peste parece ter outros planos para ele.

Ao contrário da narrativa sombria e séria que vimos em O Poço e o Pêndulo, A Orgia da Morte é um filme de cores pulsantes e muito mais bem humorado, E é o que faz deste um dos melhores trabalhos de Roger Corman.

Assista ao trailer de A Orgia da Morte:

Uma Noite Alucinante 3 (Army of Darkness, 1992)

Uma Noite Alucinante 3, exemplo de filmes de terror medieval

O terceiro filme da franquia Evil Dead transforma Ash (interpretado por Bruce Campbell) em um relutante herói da Idade Média. Em meio a um bizarro cenário medieval, o protagonista precisa enfrentar um exército de mortos-vivos para recuperar o livro Necronomicon e voltar para casa.

Aqui, o diretor/roteirista Sam Raimi aposta ainda mais pesado no humor, criando uma narrativa insana e extremamente divertida. São inúmeras referências apresentadas ao longo do filme, desde conhecidas histórias medievais até homenagens a filmes clássicos.

Vale destacar que Uma Noite Alucinante 3 tem dois finais diferentes, um que foi lançado nos cinemas e outro que pode ser visto na “versão do diretor”. Durante o episódio do podcast, nós discutimos esses dois finais e as diferentes interpretações geradas por eles.

Assista ao trailer de Uma Noite Alucinante 3:

Nosferatu – O vampiro da noite (Nosferatu: Phantom der Nacht, 1979)

Nosferatu

Nosferatu – O vampiro da noite mistura elementos tanto do clássico do expressionismo alemão Nosferatu (1922) quanto do livro Drácula, de Bram Stoker, que lhe deu origem. Mais do que isso, porém, é um filme que apresenta muitas das características narrativas do seu diretor: Werner Herzog

Na trama, Jonathan Harker (Bruno Ganz) é enviado ao castelo do conde Drácula (Klaus Kinski) para lhe vender uma casa na cidade de Virna, na Alemanha. Mas não demora muito até que Harker descubra que o tal Drácula é, na verdade, um vampiro com sede de sangue.

Herzog aposta num ritmo lento e mais contemplativo, valorizando a beleza das imagens captadas. E isso gera um resultado único. A história de Nosferatu – O vampiro da noite pode ser bastante conhecida, mas ela nunca foi contada dessa maneira.

Assista ao trailer Nosferatu – O vampiro da noite:

A Maldição do Demônio (La maschera del demonio, 1960)

A Maldição do Demônio

A Maldição do Demônio acompanha uma bruxa vingativa e seu servo diabólico que, dois séculos depois da sua morte, voltam do túmulo e tentam possuir o corpo de uma descentente da bruxa.

Este é o primeiro filme do diretor italiano Mario Bava. E logo de início ele já mostra à que veio. A cena inicial de A Maldição do Demônio é extremamente impactante e assustadora. Além disso, a obra já apresenta o apuro visual que seria marcante ao longo de toda a carreira de Bava.

Mas, ao contrário de outros filmes desta lista, o filme apresenta uma visão bastante maniqueísta da figura da bruxa. Trata-se de uma visão muito marcada pela época em que o filme foi feito, algo que foi discutido nesse episódio do podcast.

Assista ao trailer de A Maldição do Demônio:

Morte Negra (Black Death, 2010)

Morte Negra, filmes de terror medieval

Passado na auge da epidemia da peste bubônica, Morte Negra acompanha um jovem monge recrutado para liderar um grupo de soldados. Os soldados estão em busca de uma vila misteriosa onde há rumores de que vítimas da epidemia estão sendo ressuscitadas.

A obra conta com um elenco bastante conhecido, que inclui nomes como Eddie Redmayne,
Sean Bean e Carice van Houten (que, assim como seu papel em Game of Thrones, também é vista aqui como uma feiticeira de vermelho).

O diretor Christopher Smith (o mesmo do ótimo Triângulo do Medo) imprime um estilo muito mais ágil e contemporâneo a essa obra que questiona muitas das crenças que ajudaram a mergulhar a Idade Média nas trevas. Um filmaço!

Assista ao trailer de Morte Negra:

The Head Hunter (2018)

The Head Hunter

The Head Hunter acompanha um guerreiro medieval em busca de vingança. Uma criatura mitológica matou a sua filha pequena e, desde então, ele passou a caçar e matar todas as criaturas que encontra pela frente.

Muito mais focado no personagem do que na ação, o filme esconde as batalhas do protagonista, mostrando-nos, em vez disso, a sua rotina. Acompanhamos todo o processo de preparação e as consequências do combate, mas não a batalha em si.

Tal abordagem é tanto narrativa quanto orçamentária. O diretor Jordan Downey não tinha muito dinheiro para realizar o seu filme, o que o fez ser muito econômico e criativo nas suas decisões. Entretanto, suas escolhas narrativas são inteligentes e mantêm a atenção do público.

Assista ao trailer de The Head Hunter:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *